O CAMINHO SEM VOLTA

O CAMINHO SEM VOLTA

                                

JÁÁÁÁÁÁÁÁ!!! Foi o meu comando.
Sem vacilar um segundo si quer, o Aldenir lançou-se para fora do avião e  iniciou seu mergulho no vazio rarefeito. Na seqüência, Fuca, depois o Jet  e por último, eu. Conforme o combinado, saímos “um, na cola outro”, como se fala na linguagem do nosso esporte. 

                       

A QUEDA-LIVRE

       pqd-queda-livre-plena_389x351.jpg      

Durante os primeiros 20 segundos não consegui estabilizar minha posição em queda de forma que pudesse  ver meus companheiros. Somente depois de três mil pés de queda foi que isso veio acontecer e aí “achei” os três.
É nesse momento que se começa a voar. Quem está em cima tira toda a área possível de resistência para afundar para o nível dos companheiros que estão embaixo. E aí … olha-se para o objetivo e deixa-se a velocidade aumentar recolhendo os braços para as laterais do corpo na altura da pernas, com as mãos espalmadas para o solo, dando ao corpo o desenho de uma fecha. A cabeça afunda, a velocidade aumenta e  o seu companheiro vai ficando cada vês mais próximo. Essa posição chamamos de “Delta “. Quem está abaixo, abre os braços e as pernas para oferecer a maior área de resistência ao avanço. Durante o meu vôo eu via o Fuca chegando no Jet.  Sabia que iriam  se pegar. Próximo aos 12.000 pés cheguei nos dois que já haviam se agarrado. Foi só abrir a minha posição e me aproximar suave até tocar os braços dos dois e abrir a “ estrela”. Parecíamos três crianças eufóricas. Eram só sorrisos de vibração e alegria.
Muita coisa se passa na cabeça de cada um nesse momento, mas basicamente o que predomina é o prazer do vôo e da conquista.
Enquanto voávamos de mãos dadas, víamos o Aldenir mais de mil pés abaixo, mas fora do prumo da nossa queda.
Sem condições de alcançá-lo caímos até 5.000 pés, quando então dei o sinal de separação para os dois.  Cada um de nós fez o giro de 180º e nos afastamos na posição de “ Delta “, para abrirmos nosso pára-quedas  próximo dos 3.000 pés.
Até aí haviam se passado 120 segundos desde a saída do avião. Nossa área de pouso no Aeroclube estava lotada de gente,  pois o Jornal “O POVO”, desde o início da semana noticiava que “seria tentado o recorde de altura num salto de pára-quedas pela equipe do Ceará”.

O POUSO

Missão cumprida

Pousamos os três, dentro do círculo do alvo de competições do Aeroclube. O Aldenir pousou fora do alvo, mas dentro do Aeroclube em segurança.
Acho que não é preciso dizer o tamanho da nossa festa. Muita vibração, lágrimas e a sensação de “missão cumprida”.
Nesta história, dou início a uma série de outras tantas vividas por mim, um “ETERNO HEROÍ” (Título do hino do Pára-quedista), hino este, que aprendi na Brigada Pára-Quedista do Exército, de onde eu tenho o maior orgulho de ter recebido a minha formação básica, como pára-quedista militar da Aeronáutica (Sargento) e me tornar um componente precursor da equipe de Operações Especiais do PÁRA-SAR (Grupo de Salvamento, Busca e Resgate da Força Aérea Brasileira), com o “Doc”, “Sergio Macaco” e o “Guaranis”. E daí muitas outras histórias reais.
 
Volto breve, para deixar aqui registrado, muitos outros . . .
“ MOMENTOS DA VIDA,  QUE VALEM UMA HISTÓRIA “.
 
                                                 Alfredo Echebarra

103 thoughts on “O CAMINHO SEM VOLTA

  1. Caro Alfredo, eu tinha quinze anos e estava lá naquela tarde inesquecível, quando, após a façanha, você pousou com o seu “strato cloud” azul, vermelho e branco, juntamente com os demais. Parabéns pelo feito, pelo relato e muito obrigado por me haver transportado no tempo de forma tão indelével. Forte abraço e escreva sempre.

  2. Prezado Alfredo,

    Li para o Gabriel o relato deste feito memorável. A adrenalina aumenta somente com a leitura, imagine a emoção de vocês naquele dia antes e durante o salto. Parabéns pelo feito.

    Um forte abraço,

    Lemos e Gabriel.

  3. Pingback: JESUS
  4. Pingback: TIMOTHY
  5. Pingback: CLYDE
  6. Pingback: COREY
  7. Pingback: ANDREW
  8. Pingback: RALPH
  9. Pingback: LYNN
  10. Pingback: SERGIO
  11. Pingback: FERNANDO
  12. Pingback: GUY
  13. Pingback: GREGORY
  14. Pingback: ENRIQUE
  15. Pingback: ALBERTO
  16. Pingback: FREDDIE
  17. Pingback: SEAN
  18. Pingback: RONALD
  19. Pingback: MARK
  20. Pingback: EDWARD
  21. Pingback: ROLAND
  22. Pingback: MATTHEW
  23. Pingback: DARRYL
  24. Pingback: JASON
  25. Pingback: ANGEL
  26. Pingback: VIRGIL
  27. Pingback: TRAVIS
  28. Pingback: MAX
  29. Pingback: ANTHONY
  30. Pingback: ORLANDO
  31. Pingback: RUSSELL
  32. Pingback: JULIO
  33. Pingback: TROY
  34. Pingback: REX
  35. Pingback: CALVIN
  36. Pingback: BRYAN
  37. Pingback: ALEX
  38. Pingback: REGINALD
  39. Pingback: ELMER
  40. Pingback: HUBERT
  41. Pingback: ALFONSO
  42. Pingback: JEFF
  43. Pingback: AUSTIN
  44. Pingback: JONATHAN
  45. Pingback: PAUL
  46. Pingback: DONNIE
  47. Pingback: CHRIS
  48. Pingback: LUIS
  49. Pingback: TERRANCE
  50. Pingback: JONATHAN
  51. Pingback: BRIAN
  52. Pingback: JARED
  53. Pingback: CURTIS
  54. Pingback: SHANE
  55. Pingback: WARREN
  56. Pingback: JULIAN
  57. Pingback: PAUL
  58. Pingback: RICKY
  59. Pingback: LLOYD
  60. Pingback: GREGORY
  61. Pingback: JULIO
  62. Pingback: WILLIE
  63. Pingback: MORRIS
  64. Pingback: WILLARD
  65. Pingback: OLIVER
  66. Pingback: JAIME
  67. Pingback: SHAUN
  68. Pingback: DENNIS
  69. Pingback: FRANKLIN
  70. Pingback: CLAUDE
  71. Pingback: RAFAEL
  72. Pingback: LEE
  73. Pingback: ARNOLD
  74. Pingback: LLOYD
  75. Pingback: KURT
  76. Pingback: JORDAN
  77. Pingback: WAYNE
  78. Pingback: EUGENE
  79. Pingback: KEITH
  80. Pingback: ANDREW
  81. Pingback: JERRY
  82. Pingback: JULIAN
  83. Pingback: FRANKLIN
  84. Pingback: TROY
  85. Pingback: LEE
  86. Pingback: SHAUN
  87. Pingback: RICKY
  88. Pingback: HARRY
  89. Pingback: CASEY
  90. Pingback: WESLEY
  91. Pingback: EVERETT
  92. Pingback: REX
  93. Pingback: WESLEY
  94. Pingback: NORMAN
  95. Pingback: THOMAS
  96. Pingback: JORDAN
  97. Pingback: OLIVER
  98. Pingback: ANTONIO
  99. Pingback: EDDIE
  100. Pingback: ERNESTO
  101. Pingback: diane garcia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *